Medicina Constitucional e Organoterapia: realidade com respostas a um mundo de perguntas escondidas

Placeholder

A Organoterapia vem ampliar as possibilidades da medicina constitucional. Por algum motivo, talvez pela grande resistência oferecida pelas lesões moderadas e graves, talvez pelas múltiplas resistências ambientais ao movimento de cura de Hering, a Organoterapia tem mostrado a capacidade de recuperar, clínica e laboratorialmente a função de órgãos, que não haviam sido capazes de reagir totalmente ao medicamento constitucional isoladamente. É o que veremos acontecer com centenas de casos clínicos que passaremos a exibir, fundamentados por publicações científicas, depoimentos, imagens, vídeos e principalmente com a discussão dos casos clínicos de moderados a gravíssimos na 4a página deste site, em nosso blog.

Conceito de Cura em Homeopatia e Alopatia:

Todos nós mesmo no estado de saúde mais equilibrado, somos oscilantes. A natureza oscila. Sol, lua, dia, noite, quente, frio, alto, baixo. As vezes estamos melhores outros piores.

Isto acontece porque reagimos não só aos desencadeadores de doença (micróbios, frio, quente, alegremos, agrotóxicos, etc.) como a toda sorte de acontecimentos da vida (más notícias, perdas, separações, antídotos medicamentosos, doses medicamentosas, chuva magnética solar.

A cura alopática ou homeopática, portanto, não é sinônimo de erradicação de sintomas. Mesmo porque precisamos de medo para não nos queimar, da dor para saber que estamos feridos.

A doença não está fora de nós, ou pelo menos não apenas fora de nós, mas também está dentro. A intensidade e frequência com que reagimos é o que nos diferencia do louco que acha que está sendo perseguido (aumento do medo normal de crítica ou desamor) ou das doenças autoimunes (aumento da quantidade e qualidade de anticorpos contra agressores ao organismo). A linha reta, sem oscilações representa dos aparelhos de CTI, a morte.

Um parkinsoniano, portanto, que está de alta, vai ter tremores entre leves e intensos se perder um filho ou tiver uma grande contrariedade, após 2 anos sem tremer, ou com raros episódios de tremores por emoções fortes. Isto não significa que ele não está curado de Parkinson. Significa que ele tem uma maneira própria de reagir a perdas e contrariedades, como alguém que pode gaguejar nestas situações ao invés de tremer.

É um erro muito frequente hoje em dia, a medicação antidepressiva para pessoas que estão em momentos difíceis da vida, reagindo normalmente apenas com tristeza temporária.